Tags

, , , , , , , , , , ,

Oie, estava pensando em baú e baú sempre reserva muita coisa boa, principalmente no Rock’N Roll, meio phoda não pensar nos “caras” que mudaram a visão do rock, como temos hoje.

Chuck Berry

O primeiro grande compositor do rock criou riffs copiados até hoje (“Roll Over Beethoven”, “Maybellene”). Compôs rocks, blues e baladas, foi também o primeiro grande “fora-da-lei” do rock’n’roll, tendo sido preso várias vezes quando adolescente (e outras várias vezes depois). Ou seja, toda fama, merecida.

Beatles

Lançaram, entre 1965 e 67, três álbuns – Rubber Soul, Revolver e Sargent Pepper’s Lonely Hearts Club Band – que elevaram o rock a um nível artístico nunca visto. Experimentaram de tudo: música indiana, fitas rodadas de trás para frente, sons de pássaros, LSD… O rock e o mundo nunca mais foram os mesmos. Particularmente, viajo em todos os álbuns, em especial Sargent Pepper’s, considerado um dos alguns mais influentes da história, já tive alguns viagens ao som de Lucy in the Sky!

Bob Dylan

O primeiro grande letrista do rock. Cantor folk, chocou a platéia ao subir no palco com uma banda de rock, em 1965. Muitos previram um fracasso quando lançou Like a Rolling Stone: a música tinha seis minutos de duração, o triplo da média das canções do rádio. Foi e ainda é o cara!

Brian Wilson

Mesmo surdo de um ouvido e abalado para sempre por causa dos socos que levava do pai, o líder dos Beach Boys compôs alguns dos momentos mais sublimes da música pop. Queria superar os Beatles, que considerava os únicos capazes de rivalizar com seu talento. Quem não gosta ou fica no clima de praia, superou todos os obstáculos em busca do sonho, tem minha admiração.

Rolling Stones

Eram o contraponto mal comportado à simpatia dos Beatles. Foram os primeiros a subir no palco com as roupas que usavam no dia-a-dia, sem os “uniformes” usados pelas bandas – um choque na época. Resgataram o blues de Muddy Waters e Willie Dixon e exploraram a psicodelia e a música soul. A base do Rock’N Roll, impossível não curtir, indiferente da época, são phoda!

Phil Spector

O mais influente produtor musical dos EUA nos anos 60. Aos 18 anos já tinha uma música no Top 10. Revolucionou as gravações com sua técnica de gravar vários instrumentos na mesma faixa, para criar uma sonoridade densa e poderosa.

Jimi Hendrix

Revolucionou a guitarra e tornou-se o músico mais influente e inovador de sua geração. Seu estilo único unia o blues a distorção e microfonia. Quão bom ele era? Eric Clapton responde: “Uma vez, Jimi subiu conosco no palco e tocou Killing Floor, de Howlin’ Wolf, que eu nunca consegui tocar direito. Todo mundo ficou de boca aberta”. Não falarei nada, sou suspeita, fã de carteirinha dos três Js, adoro Jimi.

David Bowie

O “camaleão” do rock fez de tudo: foi menestrel hippie (anos 60), inventou o glam rock, influenciou o punk e a new wave e embrenhou-se por sons eletrônicos (anos 70). Fez dance music e trilhas para o cinema (80). Sua capacidade de se reinventar não tem paralelo no pop. Influênciou toda uma geração. Falar o que?

Sex Pistols

Em 1976, o rock vivia uma fase tediosa, com artistas milionários tocando em estádios. Em oposição a eles, grupos como Sex Pistols, Ramones e The Clash criaram o punk, uma música crua e direta. Estouraram na Inglaterra e provaram que não era preciso ser bonito e comportado para chegar ao topo das paradas. Me recuso a falar dos caras, afinal, quem nos anos 90 não foi influenciado pelo punk?

Kurt Cobain

Conseguiu, como ninguém, capturar em música o espírito da geração MTV, marcada pelo tédio e pela paralisia em face do domínio corporativo. O Nirvana foi um caso raro de banda alternativa que fez imenso sucesso comercial e abriu caminho para dezenas de outras. Lembro-me de uma situação estranha, todo mundo só falava do Kurt e de repente ele se matou, na época era adolescente, já gostava dos clássico, mas fui contagiada por seu som.

Para ler mais vá até a livraria:

The Sound of the City – The Rise of Rock and Roll – Charlie Gillett, Da Capo Press, EUA, 1970

The People’s Music – Ian MacDonald, Pimlico Books, Reino Unido, 2003

Beijos, muito rock’n roll, sexo só com camisinha!

@sexoyrocknroll

Anúncios